quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

As 4 Leis da Espiritualidade ensinadas na Índia

imagem:Elvee Regin-Getty Images


A primeira diz: “A pessoa que vem é a pessoa certa“.

Ninguém entra em nossas vidas por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor, interagindo com a gente, têm algo para nos fazer aprender e avançar em cada situação.

A segunda lei diz: “Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido“.

Nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa…” ou “aconteceu que um outro…”. Não. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos a lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.

A terceira diz: “Toda vez que você iniciar é o momento certo“.

Tudo começa na hora certa, nem antes nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é que as coisas acontecem.

E a quarta e última afirma: “Quando algo termina, ele termina“.

Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas é para a nossa evolução. Por isso, é melhor sair, ir em frente e se enriquecer com a experiência. Não é por acaso que estamos lendo este texto agora. Se ele vem à nossa vida hoje, é porque estamos preparados para entender que nenhum floco de neve cai no lugar errado. 



Fonte de luz: www.jardimdoyoga.com.br
www.gettyimages.com

sábado, 25 de fevereiro de 2012

EM BUSCA DO TESOURO


Todos nós buscamos a felicidade. Ela é o nosso tão ansiado tesouro. Mas, onde encontrá-la? No sucesso, no prestígio, na beleza, na riqueza? Por ela enfrentamos grandes desafios geográficos, grandes distâncias, imensas dificuldades através de continentes, mares, até no cosmo. Exploramos tudo, nos aventuramos para sermos heróis, sermos “super”... Por ela batalhamos por dinheiro e fortuna no trabalho, na sorte das loterias, até em descaminhos, achando que nos trarão tudo e todos. Por ela abrimos mão do que somos e nos aprisionamos eternamente a máscaras que, pensamos, nos farão sermos amados e valorizados. Pela felicidade tentamos tudo, olhar e ouvidos atentos para o mundo, mas o tesouro sempre nos escapa!

“O único espaço que o Homem deixa de explorar é o seu mundo interior” Osho.

            Não nos foi ensinado, não nos chamaram a atenção para essa direção inexplorada – nosso mundo interior, o que somos, como somos, porque somos... Ficamos desatentos de nós mesmos e passamos a vida acumulando coisas, perseguindo títulos e pessoas. Estudamos muito, acumulando muito saber (tantas vezes com pouca sabedoria) para sermos acatados como “intelectuais”. Queremos saber as respostas a todas as perguntas, mas as direcionamos sempre para fora, para o mundo, para os outros.
Mas o tesouro, a felicidade, só será alcançada quando formos, um dia de cada vez,  conhecendo , entendendo e desatando os nós que nos aprisionam. Só então poderemos desfrutar da liberdade e serenidade que podem nos fazer felizes. Esse caminho precisa ser percorrido, Passo a Passo, com perseverança, paciência, ternura, alegria, entusiasmo, humanidade...
            Na verdade, precisamos fazer apenas uma correção de rota. Mudar a direção de nosso olhar – 1º EU.  Procurar ver dentro, com o foco de atenção em nosso interior: pensamentos, sentimentos, comportamentos. Ver, rever, entender e modificar nossa história. Não será difícil se encararmos esse caminhar como a grande e incrível aventura de nossas vidas. Não exige força, dinheiro, conhecimentos, prestígio, poder...
Só é necessário desejo, boa vontade e a certeza de que Vale a Pena.

        “A menos que você adentre o santuário de seu próprio Ser, sua vida será um desperdício, um desperdício inestimável” Osho.

imagem:getty images

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Uma Carta Materna


Meu filho, se procuras a bênção da felicidade, não te esqueças de que o Reino do Céu começa em nosso próprio coração e de que o primeiro lugar onde devemos trabalhar por ele é na própria casa onde vivemos.
A alegria verdadeira nem sempre é daqueles que dominam, mas nunca se aparta das almas generosas que aprendem a espalhar o bem.
Se queres que a tranqüilidade te acompanhe, busca ser útil.
Por que foges de teu pai, quando, cansado e abatido, mostra uma fisionomia preocupada? Por que te afastas da mãezinha, quando observas o orvalho das lágrimas em seus olhos?
Aproxima-te deles e faze-lhes sentir que tens um coração compreensivo e amoroso.
Um fio d'água transforma o deserto em oásis.
Um gesto de carinho opera milagres.
Quanta gente espera construir o Reino de Deus, acendendo fogueiras de entusiasmo na praça pública e esquecendo no frio da indiferença aqueles que o Céu lhes confiou!...
Guarda a paz contigo, a fim de que a possas distribuir.
Entre as paredes do lar, Deus situou a nossa primeira escola.
Se não sabemos exercer a tolerância e a bondade com cinco ou dez pessoas, que esperam pelo nosso entendimento e pelo nosso auxílio, debalde ensinaremos o caminho do bem-estar para os outros.
O primeiro degrau do Paraíso chama-se Gentileza.
Aprende a ajudar para que outros te ajudem e, onde estiveres, serás sempre um valoroso operário na edificação do Reino Divino.
*
APONTAMENTO
Toda bondade mais simples,
Sincera, nobre, leal,
Ajuda na construção
Do Reino Celestial.
Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Pai Nosso. Ditado pelo Espírito Meimei. 19 edição. Rio de Janeiro, RJ: FEB. 1999.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

ATENÇÃO

"Não te entregues à manifestações de azedume 

revolta, mesmo quando sintas, por dentro da 

própria alma, o gosto amargo dessa ou daquela 

desilusão.


Fonte de luz:
- imagem:getty images

-Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Atenção. Ditado pelo Espírito Emmanuel. 16 edição. 
Araras, SP: IDE. 1997.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Equilíbrio entre Coração e Cérebro Por Jorge Antonio Oro


Fonte de luz:http://sandralage.blogspot.com
imagem:pixmac.com

Comentários sobre um texto que fala da inteligência do coração, “Siga seu coração, ele é mais inteligente do que voce pensa."

Os textos entre aspas, são extratos do texto original, seguidos pelos comentários.

1) “O coração é também o primeiro órgão formado no útero. O resto vem depois. Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo. Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurônios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral. Joseph Chilton Pearce, autor de 'A biologia da Transcendência', chama a isto de ”o maior aparato biológico e a sede da nossa maior inteligência.”

Comentário 1.1: Quando ocorre a fecundação, caso o óvulo esteja maduro, inicia-se uma etapa (dividida em 4 fases), que tem por finalidade fazer a combinação hereditária, para o que virá a ser um novo ser humano, resultando na primeira separação, gerando 2 células. Está fase, esta dança microcósmica dura de 1 a 2 horas, e na terceira etapa desta fase, o material começa a separar-se gerando o que se chama “estrelas fixas”, 2 polos, que serão os núcleos das novas células. Este primeiro processo de dualidade, acompanha e define o padrão pelo qual a inteligência cósmica vai agir na formação do novo ser humano, e na manutenção da vida. Este processo é exatamente igual ao processo de geração de um novo planeta, onde temos o norte e o sul (que se deslocam em um vir a ser, após terem estado juntos no equador, e após terem sido fecundados). É o mesmo para a formação de um sistema solar, é o mesmo para a geração de uma galáxia. Sempre, um polo fica representando a vida e o outro o espírito (ou imediatamente superior). O sol fisico é o sul, o seu imediato é o norte. Em outro plano, este norte passa a ser o sul e seu superior o norte, etc, etc, até o sol central da galáxia, ou o sol oculto, para quem o imanifestado é o norte. A dualidade vai reger tudo.

Comentário 1.2: O coração (ou o “vir a ser” do coração) começa a bater até 24 horas após a concepção, mas sem ser responsável pela circulação, pois não há sistema circulatório, e nem tem regulação nervosa. O coração enquanto sistema alcança estado funcional por primeiro, entre 21 e 23 dias de gestação, mas neste período, já existe o tubo neural (que receberá circulação 4 dias depois) e vários outros sistemas em matriz. Assim, mesmo o coração batendo após 12 horas, é uma vida energia incipiente. Quando está pronta a base do vir a ser vida consciência, o tubo neural (base do sistema nervoso central e periférico), estabelece-se o equilíbrio entre 2 polos: cérebro e coração, e então o sangue circula. Assim, manifesta-se novamente a dualidade polar, pois o coração por si só, não teria sentido.

Comentário 1.3: Toda e qualquer célula ou órgão do corpo humano, vai derivar de 3 placas: Ectoderma (por ex.: sistema nervoso central e periférico, pele (e pêlos e unhas), glândulas mamárias e subcutâneas, e a hipófise e meninges); Mesoderma (por ex.: tecido conjuntivo; cartilagem, ossos, músculo estriado e liso, coração; sangue, vasos e células linfáticas; rins; ovários; testículos e membranas de revestimento das cavidades corporais); Endoderma (por ex.: revestimento epitelial dos tratos gastrointestinal e respiratório, glândulas tireóide e paratireóide; timo; fígado; pâncreas). Então, as células do coração não são únicas.

2) “O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinal eletromagnético que se irradia para além da célula. Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de freqüência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele! A frequência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração se estende desde o assoalho pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo. O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma frequência. A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficas. Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anel universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de frequência de um único anel.”

Comentário 2.1: Não sou médico, mas a embriologia, analisada a luz do conhecimento filosófico-esotérico, expressa a dualidade cósmica, e repete exatamente a cosmogênese e a antropogênese (por exemplo, o fato de os mais importantes sistemas que darão densidade corpórea ao ser humano, estarem com suas bases constituídas na terceira semana, nos remete a terceira raça mãe, onde adquirimos o corpo físico. Da mesma forma, se analisarmos na embriologia o sistema cérebro-espinhal, veremos o processo cósmico, etc, etc. Então, o coração é um prato da balança. O outro é o sistema cérebro-espinhal.

Comentário 2.2: O coração não é um sistema nervoso, nem faz parte dele, nem possui neurônios. É um sistema enervado pelo sistema nervoso autônomo: sistema simpático (nor-adrenalina, acelera o coração) e parassimpático (acetilcolina, que desacelera). O SNA através do hipotálamo liga-se ao sistema nervoso central, e deste recebe as interações. Assim, o coração não é um órgão de inteligência.

Comentário 2.3: Confunde-se a fisiologia com as funções ocultas do ser humano: pelo fato de o coração estar ligado ao quarto chakra, Anahata, sede da mente concreta, não significa que ele é o sistema nervoso ou tem inteligência. Da mesma forma que não podemos dizer que as amigdalas ou que a tireóide, pelo fato de estarem na garganta, são a base da mente abstrata. 

Comentário 2.4: Os sinais eletromagnéticos do coração não são mais fortes do que o do cérebro. São de natureza diferentes e, portanto, não podem ser comparados. São as sedes do Prana Solar e Lunar. E sangue e prana, mantém a vida e alimentam o sistema nervoso central. Enquanto um dá energia para os movimentos, o outro dá energia para a criação de emoções, sentimentos, e para o comando elétrico do corpo. Um não funciona sem o outro, então, como dizer que um é mais importante que o outro? 

Comentário 2.5: O canal esquerdo da coluna se chama Ida, e também o lado esquerdo do coração e todas as suas ramificações também. O da esquerda se chama Píngala, idem para o coração.

Comentário 2.6: Prana, o mantenedor da vida, o elo de ligação entre corpo, alma e espírito, o sistema nervoso e o sistema vascular são um único caminho, donde caminha do norte ao sul, e de oeste para leste: o mesmo movimento do Prana no corpo humano, também o é no nosso planeta, razão aliás, da rotação da Terra.

Comentário 2.7: O fluxo eletromagnético do coração, portanto, abarca todo o corpo humano, fazendo pendant (equilíbrio ) com o cérebro (ou sistema cérebro espinhal).

Comentário 2.8: Se assim não o fosse, teriamos energia para manter o corpo físico, (que distribuiria os 3 humores: vayu, do ar, bilis, sistema endócrino, e fleuma, alimentação), mas não teríamos o sistema nervoso para controlar o organismo, e sequer teríamos energia elétrica para gerar pensamentos, emoções, intuição e, mais ainda, a conexão corpo-alma-espírito não seria possível.

3) “Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos acessar todas as informações dentro dele a qualquer momento.” 

Comentário 3: Sim, obviamente estamos. Mas como acessar todas as forças do universo a qualquer momento? Não adianta só conjecturar, tem que explicar como isto pode e deve ser feito?

4) “Quando ficamos quietos para acessar o que temos em nossos corações, nós estamos literalmente conectados à fonte ilimitada de Sabedoria do Universo, de uma forma que percebemos como “milagres” entrando em nossas vidas.”

Comentário 4: Não procede. Esta é uma abordagem religiosa ou emocional. O que vamos acessar? E afinal, o que tem em nossos corações? Milagres não existem, existe são as forças da natureza agindo de uma forma incompreensível para a razão, por isto chamado de milagres por aqueles que querem nos fazer crer que devemos depender de outros (sempre superiores ao gênero humano). A fonte ilimitada de sabedoria do universo é o que existe a partir da mente abstrata, Budhica. Mas isto só se consegue pelo exercício da Vontade (Atmã), Amor-sabedoria (Budhi) e Atividade (Mente abstrata). 

5) "Quando desconectamos e nos desligamos da sabedoria inata de amor do Coração, baseado nos pensamentos, o intelecto refletido no ego assume o controle e opera independentemente do Coração, e nós voltamos para uma mentalidade de sobrevivência baseada no medo, ganância, poder e controle."

Comentário 5: ??? não existe sabedoria inata do amor do coração! Para tentar dar um cunho de realidade a esta parte do texto, só se considerássemos o coração como a base da razão, e o “voltar para a mentalidade de sobrevivência” significasse focar a mente no afetivo-emocional, e não na razão, mas mesmo assim, isto nada significaria. Não há como o intelecto refletido no ego assumir o controle? Não adianta só dizer coisas aparentemente complexas, tem que explicar como funciona e, ao menos, usar um pouco da razoabilidade e de conhecimento para escrever, por respeito as pessoas de boa fé que forem ler os textos.

6) “Desta forma, passamos a acreditar que estamos separados, a nossa percepção de vida muda para uma limitação e escassez, e temos que lutar para sobreviver.“

Comentário 6: isto em nada tem a ver com focar no coração ou não. Isto tem a ver quando o centro de consciência passa a operar no astral ou no instintivo, retirando a percepção de realidade, e nos fazendo analisar a vida de baixo para cima, e não o contrário.

7) “Este órgão incrível, que muitas vezes ignoramos, negligenciamos e construímos muros ao redor, é onde podemos encontrar a nossa força, nossa fé, nossa coragem e nossa compaixão, permitindo que a nossa maior inteligência emocional guie nossas vidas.”

Comentário 7: a nossa vida deve ser guiada pela neutralidade, pela compreensão, pela razão, pela intuição, não pela compaixão. Compaixão significa não entender nem o erro, nem quem está errando, nem as decorrências e causas. Advém só do desconhecimento. Confunde-se aqui, o coração com a mente concreta, como plano da razão, mas ainda fica mais confuso, pois invoca a fé! Fé absolutamente não deve existir. Tem que existir compreensão, identidade e trabalho evolucional. “Faze por ti que eu te ajudarei”, disse o nazareno.

8) “Devemos agora mudar as engrenagens para fora do estado baseado no medo mental que temos sido ensinados a acreditar, e nos movermos para viver centrados no coração. Para que esta transformação ocorra, é preciso aprender a meditar, “entrar em seu coração” e acessar a sabedoria interior do Universo. É a única maneira, é O Caminho. A medida que cada um de nós começa esta revolução tranquila de viver do Coração, vamos começar a ver os reflexos em nossas vidas e em nosso mundo.“

Comentário 8: O equilíbrio que se deseja, tem que vir através da ação conjunta e contínua do cérebro e do coração: razão e intuição. Precisamos com estas ações, transmutar o desejo em vontade, o instinto em amor fraterno, a inércia em trabalho da Lei. Precisamos amadurecer, precisamos nos intruir, precisamos nos assenhorarmos de nossas próprias existências, precisamos exercer nosso papel evolucional, precisamos assumir nossa condição hierárquica de seres humanos, precisamos sublimar o que trouxemos para ser resolvido (nossos erros, desejos, emoções densas), precisamos fazer com que a intuição eduque a razão. Precisamos fazer com que a razão eduque a emoção. Precisamos fazer com que a emoção eduque o instinto vital, e precisamos fazer com que o instinto eduque o físico. Assim, virá o equilíbrio vertical e horizontal. Então sim, o ser humano entenderá o que é felicidade.

9) “Esta é a forma como cada um de nós vai criar uma mudança no mundo, criar paz, criar harmonia e equilíbrio, e desta forma, vamos todos criar o Paradigma do Novo Mundo do Céu na Terra. Rebecca Cherry”

Comentário 9: o objetivo do texto é correto, na medida em que deseja criar o paradigma do novo mundo. Mas se tentarmos realizar isto baseados nesta abordagem do que seja o coração, ficaremos desiludidos. E só se desilude quem antes tivesse estado iludido. 

Comentário final: A Pineal, é o coração do cérebro, e pulsa tal qual. O equilíbrio deverá vir da compreensão dos chakras, sua interação com a pineal, sua interação com o sistema endócrino. O equilíbrio se considerarmos o sistema endócrino, vem da ação irmanada da pineal, pituitária e Timo.Vayu, Bilis e Fleuma, no coração, geram Ojas, eletricidade. O trânsito de Prana, pela esquerda e direita (o que é a razão da alternância de respiração de 1:56:7’:7” h por cada narina) e mais o trânsito dos Tatwas, dá a compreensão e o controle de todas as forças que agem tanto no cérebro quanto no coração, equilibrando na horizonta e na vertical. Qualquer ação na alma, tem impacto no vital, que impacta nos chakras, que impacta no sistema endócrino, que fará gerar substâncias que equilibram ou desequilibram o organismo que, por sua vez, devolverá equilíbrio ou desequilíbrio para o vital e para a alma. Há muito sobre isto, mas cada um escreve e trilha se próprio caminho. Mas que seja um caminho consciente. Viver equilibradamente, adquirindo conhecimento, com paciência para com todos e principalmente consigo mesmo, exercitando a razão, ao lado do amor fraterno, olhando cada ser vivo como seu irmão de evolução, esta é a expressão do equilíbrio consciente. “O coração tem razões que a própria razão desconhece” – Quem falou isto, não foi o Blaise Pascal filósofo, matemático ou o físico. Foi o Blaise alquimista, pois sabia que, o Mercúrio (coração, chakra cardíaco) deve ser usado para transmutar o chumbo (o mais denso, raiz) em ouro (Sahashara, o coronal). Mas isto só ocorre pelo equilíbrio, pois antes que a transmutação do chumbo seja efetuada para gerar a “summa matéria”, o ouro e o mercúrio deverá ter sido transformados primeiro, de metais físicos, em metais alquímicos, de vida energia em vida consciência. Estas são as razões que a razão desconhece.

Para concluir: “ Aquele que equilibrar o cérebro e o coração, alcançará, na Terra, as maiores alturas”. Henrique José de Souza.

Ps:.Comentário 2.10: A terra tem o mesmo sistema, pois tem norte e sul (prana solar e lunar), assim como o sistema solar, a galáxia e o universo, como falado antes. Sempre, por exemplo, na própria criação da matéria, o que está próximo da fonte é solar e o que se distancia é lunar. Assim é que, como na sístole-diástole do coração, também pulsa este conglomerado eletromagnético que nós chamamos Sol, expandindo prana que por sua vez, o recebe do sol central da galáxia, etc. Isto, cada batimento, ocorre a cada 11 anos (o que a ciência interpreta como manchas solares, é o Prana voltando ao coração, após ter ido manter a vida em todo o sistema solar, em toda a galáxia, e assim por diante). Mas sempre dual. Quanto a hipótese da holografia, é uma forma da ciência conjecturar, por desconhecer a mecânica do Prana que, é o mesmo, do centro do universo ao centro das galáxias, ao centro dos sistemas solares, ao centro dos planetas, ao centro do corpo humano, sempre em forma dual.

Por Jorge Antonio Oro

domingo, 12 de fevereiro de 2012

EU TE COMPREENDO...



Eu sei das tuas tensões, dos teus vazios e da tua inquietude. Eu sei da luta que tens travado à procura de Paz. Sei também das tuas dificuldades para alcançá-la. Sei das tuas quedas, dos teus propósitos não cumpridos, das tuas vacilações e dos teus desânimos.
Eu te compreendo... Imagino o quanto tens tentado para resolver as tuas preocupações profissionais, familiares, afetivas, financeiras e sociais. Imagino que o mundo, de vez em quando, parece-te um grande peso que te sentes obrigado a carregar. E tantas vezes, sem medir esforços.

Eu conheço as tuas dúvidas, as dúvidas da natureza humana. Percebo como te sentes pequeno quando teus sonhos acalentados vão por terra, quando tuas expectativas não são correspondidas. E essas inseguranças com o amanhã? E aquela inquietação atroz em não saberes se amanhã as pessoas que hoje te rodeiam ainda estarão contigo? De não saberes se reconhecerão o teu trabalho, se reconhecerão o teu esforço. E, por tudo isto, sofres, e te sentes como um barco sozinho num mar imenso e agitado.

E não ignoro que, muitas vezes, sentes uma profunda carência de amor. Quantas vezes pensaste em resolver definitivamente os teus conflitos no trabalho ou em casa. E nem sempre encontraste a receptividade esperada ou não tiveste força para encaminhar a tua proposta. Eu sei o quanto te dói os teus limites humanos e o quanto às vezes te parece difícil uma harmonia íntima. E não poucas vezes, a descrença toma conta do teu coração.

Eu te compreendo... Compreendo até tuas mágoas, a tristeza pelo que te fizeram, a tristeza pela incompreensão que te dispensaram, pelas ingratidões, pelas ofensas, pelas palavras rudes que recebeste. Compreendo até as tuas saudades e lembranças. Saudade daqueles que se afastaram de ti, saudade dos teus tempos felizes, saudade daquilo que não volta nunca mais... E os teus medos? Medo de perderes o que possuis, medo de não seres bom para aqueles que te cercam, medo de não agradares devidamente às pessoas, medo de não dares conta, medo de que descubram o teu íntimo, medo de que alguém descubra as tuas verdades e as tuas mentiras, medo de não conseguires realizar o que planejaste, medo de expressares os teus sentimentos, medo de que te interpretem mal.

Eu compreendo esses e todos os outros medos que tens dentro de ti. Sou capaz de entender também os teus remorsos, as faltas que cometeste, o sentimento de culpa pelos pequenos ou grandes erros que praticaste na tua vida. E sei que, por causa de tudo isso, às vezes te encontras num profundo sentimento de solidão. É quando as coisas perdem a cor, perdem o gosto e te vês envolto numa fina camada de indiferença pela vida. Refiro-me àquela tua sensação de isolamento, como se o mundo inteiro fosse indiferente às tuas necessidades e ao teu cansaço. E nesse estado, és envolvido pelo tédio e cada ação ou obrigação exige de ti um grande esforço. Sei até das tuas sensações de estares acorrentado, preso; preso às normas, aos padrões estabelecidos, às rotineiras obrigações: "Eu gostaria de... mas eu tenho que trabalhar, tenho que ajudar, tenho que cuidar de, tenho que resolver, tenho que!...". Eu te compreendo... Compreendo os teus sacrifícios.

E a quantas coisas tens renunciado, de quantos anseios tens aberto mão!... E sempre acham que é pouco... Pouca coisa tens feito por ti e tua vida, quase toda ela, tem sido afinal dedicada a satisfazer outras pessoas. Sei do teu esforço em ajudar as outras pessoas e sei que isso é a semente de tuas decepções. Sei que, nas tuas horas mais amargas, até a revolta aflora em teu coração. Revolta com a injustiça do mundo, revolta com a fome, as guerras, a competição entre os homens, com a loucura dos que detêm o poder, com a falsidade de muitos, com a repressão social e com a desonestidade. Por tudo isso, carregas um grau excessivo de tensões, de angústia e de ansiedade. Sonhas com uma vida melhor, mais calma, mais significativa. Sei também que tens belos planos para o amanhã. Sei que queres apenas um pouco de segurança, seja financeira ou emocional, e sei que lutas por ela.

Mas, mesmo assim, tuas tensões continuam presentes. E tu percebes estas tensões nas tuas insônias ou no sono excessivo, na ausência de fome ou na fome excessiva, na ausência de desejo para o sexo ou no desejo sexual excessivo. O fato é que carregas e acumulas tensões sobre tensões: tensões no trabalho, nas exigências e autoritarismos de alguns, nas condições inadequadas de salário e na inexistência de motivação, nos ambientes tóxicos das empresas, na inveja dos colegas, no que dizem por trás. Tensões na família, nas dependências devoradoras dos que habitam a mesma casa; nos conflitos e brigas constantes, onde todos querem ter razão; no desrespeito à tua individualidade, no controle e cobrança das tuas ações. Eu te compreendo, e te compreendo mesmo. E apesar de compreender-te totalmente, quero dizer-te algo muito importante. Escuta agora com o coração o que te vou dizer:

Eu te compreendo, mas não te apoio! Tu és o único responsável por todos estes sentimentos. A vida te foi dada de graça e existem em ti remédios para todos os teus males. Se, no entanto, preferes a autocomiseração ao invés de mobilizares as tuas energias interiores, então nada posso te oferecer. Se preferes sonhar com um mundo perfeito, ao invés de te defrontares com os limites de um mundo falho e humano, nada posso te oferecer.

Se preferes lamentar o teu passado e encontrar nele desculpas para a tua falta de vontade de crescer; se optastes por tentar controlar o futuro, o que jamais controlarás com todas as suas incertezas; se resolveste responsabilizar as pessoas que te rodeiam pela tua incompetência em tratar com os aspectos negativos delas, em nada posso te ajudar. Se trocaste o auto apoio pelo apoio e reconhecimento do teu ambiente, então nada posso te oferecer. Se queres ter razão em tudo que pensas; se queres obter piedade pelo que sentes; se queres a aprovação integral em tudo que fazes; se escolhestes abrir mão de tua própria vida, em nome do falso amor, para comprares o reconhecimento dos outros, através de renúncias e sacrifícios, nada posso te oferecer. Se entendeste mal a regra máxima "Amar ao próximo como a ti mesmo", esquecendo-te de amar a ti mesmo, em nada posso te ajudar.

Se não tens um mínimo de coragem para estar com teus próprios sentimentos, sejam agradáveis ou dolorosos; se não tens um mínimo de humildade para te perdoares pelas tuas imperfeições; se desejas impressionar os outros e angariar a simpatia para teus sofrimentos; se não sabes pedir ajuda e aprender com os que sabem mais do que tu; se preferes sonhar, ao invés de viver, ignorando que a vida é feita de altos e baixos, nada posso te oferecer. Se achas que pelo teu desespero as coisas acontecerão magicamente; se usas a imperfeição do mundo para justificar as tuas próprias imperfeições; se queres ser onipotente, quando de fato és simplesmente humano; se preferes proteção à tua própria liberdade; se interiorizaste em ti desejos torturadores; se deixaste imprimirem-se em tua mente venenosas ordens de: "Apressa-te!", "Não erres nunca!", "Agrade sempre!"; se escolheste atender às expectativas de todas as pessoas; se és incapaz de dar um não quando necessário, em nada posso te ajudar. Se pensas ser possível controlar o que os outros pensam de ti; se pensas ser possível controlar o que os outros sentem a teu respeito; se pensas ser possível controlar o que os outros fazem; se queres acreditar que existe segurança fora de ti, repito:

Eu te compreendo mas, em nome do verdadeiro Amor, jamais poderia apoiar-te! Se recusas buscar no âmago do teu ser respostas para os teus descaminhos, se dás pouca importância a teus sussurros interiores; se esqueceste a unidade intrínseca dos opostos em nossa vida terrena; se preferes o fácil e abandonastes a paciência para o Caminho; se fechaste teus ouvidos ao chamado de retorno; se perdeste a confiança a ponto de não poderes entregar tua vida à vontade onipotente de Deus; se não quiseste ver a Luz que vem do Leste; se não consegues encontrar no íntimo das coisas aquele ponto seguro de equilíbrio no meio de todas as tormentas e vicissitudes; se não aceitas a tua vocação de Viajante com todos os imprevistos e acidentes da Jornada; se não queres usar o tempo, o erro, a queda e a morte como teus aliados de crescimento, realmente nada posso fazer por ti.

Se aspiras obter proteção quando o que precisas é Liberdade; se não descobriste que a verdadeira Liberdade e a autêntica Segurança são interiores; se não sabes transformar a frase "Eu tenho que..." na frase "Eu quero!"; se queres que o fantasma do passado continue a fechar teus olhos para a infinidade do teu aqui e agora; se queres deixar que o fantasma do futuro te coloque em posição de luta com o que ainda não aconteceu e, provavelmente, não chegará a acontecer; se optaste por tratar a ti mesmo como a um inimigo; se te falta capacidade para ver a ti mesmo como alguém que merece da tua própria parte os maiores cuidados e a maior ternura; se não te tratas como sendo a semente do próprio Deus; se desejas usar teus belos planos de mudar, de crescer, de realizar, como instrumentos de auto-tortura; se achas que é amor o apego que cultivas pelos teus parentes e amigos; se queres ignorar, em nome da seriedade e da responsabilidade, a criança brincalhona que habita em ti; se alimentas a vergonha de te enternecer diante de uma flor ou de um por de sol; se através da lamentação recusas a vida como dádiva e como graça, não posso te apoiar.

Mas, se apesar de todo o sono, queres despertar; se apesar de todo o cansaço, queres caminhar; se apesar de todo o medo, queres tentar; se apesar de toda acomodação e descrença, queres mudar, aceita então esta proposta para a tua Felicidade: A raiz de todas as tuas dificuldades são teus pensamentos negativos. São eles que te levam para as dores das lembranças do passado e para a inquietação do futuro. São esses pensamentos que te afastam da experiência de contato com teu próprio corpo, com o teu presente, com o teu aqui e agora e, portanto, distanciando-te de teu próprio coração. Tens presentes agora as tuas emoções? Tens presente agora o fluxo da tua respiração? Tens presente agora a batida do teu coração? Tens agora a consciência do teu próprio corpo? Este é o passo primordial. Teu corpo é concreto, real, presente, e é nele que o sofrimento deságua e é a partir dele que se inicia a caminhada para a Alegria.

Somente através dele se encaminha o retorno à Paz. Jamais resolverás os teus problemas somente pensando neles. Começa do mais próximo, começa pelo corpo. Através dele chegarás ao teu centro, ao teu vazio, àquele lugar onde a semente germina. Através da consciência corporal, galgarás caminhos jamais vistos, entrarás em contato com os teus sentimentos, perceberás o mundo tal como é e agirás de acordo com a naturalidade da vida. Assume o teu corpo e os teus sentimentos, por mais dolorosos que sejam; assume e observa-os, simplesmente observa-os. Não tentes mudar nada, sê apenas a tua dor. Presta atenção, não negues a tua dor. Para que fingir estar alegre se estás triste? Para que fingir coragem se estás com medo? Para que fingir amor se estás com ódio? Para que fingir paz se estás angustiado? Não lutes contra teus sentimentos, fica do teu próprio lado, deixa a dor acontecer, como deixas acontecer os bons momentos. Pára, deixa que as coisas sejam exatamente como são.

Entra nos teus sentimentos sem os julgar, não fujas deles, não os evites, não queira resolvê-los escapando deles - depois terás de te encontrar com eles novamente, é apenas um adiamento, uma prorrogação. Torna-te presente, por mais que te doa. E, se assim fizeres, algo de muito belo acontecerá! Assim como a noite veio, ela também se irá e então testemunharás o nascer do dia, pois à noite o sol escurece até a meia-noite e, a partir daí, começa um novo dia.

Se assim fizeres, sentirás brotar de dentro de ti uma força que desconhecias e te sentirás renovado na esperança e a vida entrando em ti. Se assim fizeres, entenderás com o coração que a semente morre mesmo, totalmente, antes de germinar e que a morte antecede a vida. E, se assim fizeres, poderei dizer-te então que: Eu te Compreendo e que, assim, tens todo o meu apoio! E verás com muita alegria que, justamente agora, já não precisas mais do meu apoio, pois o foste buscar dentro de ti e o encontraste dentro da tua própria dor! A CAUSA É INTERIOR.

O homem traz a semente de sua vida dentro de si mesmo. O que quer que lhe aconteça, acontece por sua própria causa. As causas externas são secundárias; as causas internas são as principais. Existe a possibilidade de uma transformação...E que só você pode conseguir, basta querer...

(Antônio Roberto Soares)

imagem e texto:http://mudandoparadigmas.blogspot.com

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Sua Raiva é Amor Reprimido

Você não sente raiva por não ter amor, ao contrário, você a sente pois tem amor de sobra, todavia reprimido. Você poderia amar o mundo inteiro de uma só vez se tivesse a oportunidade. Mas sua mente não deixa. Ela e suas regras tolas impedem que a repressão acabe. Você vive em uma ditadura emocional, e a menos que comece a semear em cada sentimento, sensação e pensamento a verdade sobre o que há em você, a repressão continuará.

A esta altura você certamente compreende com nitidez que querer lutar contra a repressão não trará grandes resultados. Perceba então que não há necessidade de sequer pensar em confronto, apenas se entregue. Isso mesmo, entregue-se ao que está sentindo de maneira total. Se a raiva o está consumindo, deixe-se sentí-la com toda a intensidade. Mas enquanto o fizer, pergunte-se o porquê de ela estar presente em sua vida neste momento.

Será que você sentiria raiva se tivesse alguém a quem amar sem temores? Será que você sentiria raiva se estivesse em perfeita harmonia? Será que você sentiria raiva se não houvesse frustração? Será que você sentiria raiva se não houvesse mais razões para não se viver a vida?

Aliás, será que tais perguntas existiriam se você não estivesse frustrado emocionalmente?

A raiva provém da frustração. Da frustração de não poder amar sem receios, sem condições, sem regras, sem temores, sem perdas, sem limitações, sem questionamentos. A raiva surge quando a liberdade de amar de maneira absoluta não existe em sua vida. E isso passa pela mente. Não somente pela sua, mas pelas mentes de outras pessoas.

"Como eu poderei amar absolutamente sem ser amado?" É isso que intrinsecamente você deve ter pensado. Você está fechado e está cheio. Você quer continuar cheio. Quer trocar o seu amor por outro, mas sem esvaziar-se. Quer continuar pesado e seguro.

A segurança é tão benquista que sequer passa pela sua cabeça quaisquer conceitos que destruam-na. Por isso, você lê textos como este dia após dia na esperança de encontrar uma solução mágica para não abandonar sua segurança.

Mas sinto lhe dizer que não vai acontecer. Não há fórmulas ou truques mágicos, há apenas a vontade inerente a cada um.

O amor que você reprime apenas se encontra nesta situação por sua paranóia a respeito da segurança. Ao querer continuar cheio, você não é capaz de amar alguém sem ser amado, não é capaz de fazer o bem sem receber o bem em troca e não é capaz de tomar a iniciativa. Você então espera e espera por um sinal dos céus, na vã esperança de que um dia será feliz e seguro ao mesmo tempo.

Compreenda que o amor que você reprime só poderá deixar de ser raiva quando você desapegar-se de sua necessidade de sentir-se seguro. Quando você não necessitar de segurança, estará em um estado de pura potencialidade, livre de todos os pesos e argumentos falaciosos de sua mente. Você amará mesmo sendo odiado, você amará mesmo sendo renegado, você amará mesmo quando não pensar em amar.

Pois o amor é como água da qual todos podem beber, independente de índoles, de títulos, de filosofias, de hierarquias, de crenças, de atitudes e de idades. E você é a fonte dessa água, cada um de nós. Mas é necessário estar purificado de coração e mente para que a água seja límpida, fresca e sacie a sede de todos.

Seja essa fonte e proveja a necessidade daqueles que precisam de amor. Pois você o tem de sobra, só que não o deixa se expressar.


MARCOS KELD
http://blogpotencialidadepura.blogspot.com

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

GOTAS DE LUZ!



NÃO ESTRAGUE A ALEGRIA DE DAR COM A EGOÍSTICA EXPECTATIVA DE RECEBER...

HERMÓGENES